Aviso da Tesouraria

Postado em Atualizado em

Prezados colegas,

Informamos que os pagamentos com desconto de 10% (R$205,20) serão válidos apenas até o dia 01/04/2013, já que o dia 31/03/2013 cairá num domingo.

Pagamentos parcelados só serão válidos se a primeira parcela for depositada até o dia 01/04/2013. Após esta data, só será aceito o valor integral (R$228,00) até o final de abril e, depois de abril, os valores serão acrescidos de juros.

Quem já efetuou pagamento ou está desligado, por favor, desconsidere este aviso.

Conta para depósito:
Caixa Econômica Federal
Agência: 2809 TIPO: 003
Conta: 971-5
Titular: Conselho Regional de Museologia Segunda Região ES, RJ, MG
CNPJ: 29.418.027/0001-80

Atenciosamente,

Vivian Fava
Tesoureira – Corem 2R Reg. 0749-I

Entrevista com a vice-diretora da Escola de Estudos de Museus, da Unversidade de Leicester

Postado em Atualizado em

pgp-campuspanoramic

Entrevista com a Dra. Sheila Watson, vice-Diretora do
Departamento de Museologia da Universidadede de Leicester, Grã-Bretanha,
realizada por Cláudia Porto* a convite do British Council.

A Dra. Sheila Watson, professora e vice-Diretora do Departamento de Museologia da Universidadede de Leicester, esteve no Brasil este mês como convidada do British Council, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UNIRIO e do Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST, com o objetivo de conhecer museus cariocas e ministrar a palestra da aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – PPG-PMUS.

Segundo o British Council, a visita da Dra. Watson ao Rio de Janeiro “representa um movimento importante na direção de uma parceria entre a a primeira faculdade de museologia do mundo e o primeiro curso de graduação em museologia do Brasil.” A palestra – que encheu o auditório do MAST – abordou formação e atuação na área de museus, perspectivas profissionais no campo nacional e global e exemplos de atuação social dos museus britânicos.

A Universidade de Leicester tem sido um dos mais influentes geradores de ideias no campo da museologia. O Centro de Pesquisa em Museus e Galerias vem desenvolvendo, ao longo da última década, um programa de pesquisa inovador e rigoroso que pauta políticas e práticas, inspirando experiências internacionais.

Qual o principal foco do curso da Escola de Museologia da Universidade de Leicester?

Nós temos dois cursos de pós-graduação na Escola de Leicester: Estudos de Museus (Museum Studies) e Estudos de Museus e Galerias de Arte (Art Museum and Gallery Studies).

Um dos nossos principais focos é fazer com que os alunos pensem construtivamente sobre como trabalhar museus e galerias. Queremos desafiar as ideias preconcebidas de museu e explorar os diferentes modos de despertar os sentidos, a emoção e o engajamento do público em sua relação com o objeto. Discutimos também a ética museológica e, claro, apresentamos um panorâma histórico dos museus e da museologia.

Os cursos têm uma parte teórica e uma sólida prática museal. A escola tem coleções e espaços de exposição nos quais os alunos trabalham. Esses espaços contam com toda a infraestrutura de preservação, segurança, iluminação etc. que um museu deve ter como padrão ideal.

É fundamental desafiar os estudantes e, ao mesmo tempo, dar-lhes suporte teórico e material. Em Leicester, podemos dar uma pedra a um aluno para que ele crie para ela, por exemplo, um projeto educativo; e disponibilizamos especialistas com que esses alunos possam trabalhar, de modo a tornar a experiência ainda mais rica e interessante. Deixamos os alunos completamente livres para escolherem seus temas e criarem as exposições.

A avaliação não se encerra quando a exposição é montada e aberta à visitação. Nesse momento, surge uma nova fase, na qual o público visitante faz uma crítica àquela exposição. A avaliação do público é levada em conta na nota final.

Além desse trabalho, os estudantes estagiam por oito semanas em um museu real, trabalhando num projeto que seja do interesse do aluno e do museu.

O resultado de todo esse processo é tão positivo que os museus competem pelos estagiários, o que também permite que os estagiários escolham em que museus irão trabalhar. E isso pode acontecer em qualquer museu da Grã-Bretanha, de museus imensos como o British Museum até pequeníssimos museus locais.

O curso completo de pós-graduação em Leicester dura um ano, ao longo do qual o aluno determina a área em que deseja se especializar. Ao final, o estudante deve entregar uma dissertação ligada ao museu em que fez o estágio.

Gostaria de frisar que Leicester também oferece cursos à distância: “Estudos de Museus”, “Interpretação, Representação e Patrimônio”, “Estudos de Educação e Público em Museus e Galerias”, e “Patrimônio Digital”.

Qual o perfil dos estudantes? Eles são diferentes dos estudantes que a escola tinha há dez anos, por exemplo? O que eles procuram no curso?

Acho que a diferença mas significativa seja a geográfica, pois temos recebido muitos alunos dos Estados Unidos e do Canadá ultimamente, além de chineses e japoneses. Temos estudantes de 17 diferentes nacionalidades, o que possibilita uma intensa troca multicultural em sala de aula.

Acha que o estudo da museologia precisa incluir disciplinas como administração, marketing, captação de recursos e educação?

Nós tratamos de todas essas disciplinas no curso de Leicester. Certamente todas elas são essenciais para que se exerça um trabalho de alta qualidade nos museus.

Como preparar futuros profissionais de museus para lidar com conceitos complexos como mito e memória?

Esta sua pergunta é particularmente interessante para mim, já que minha área de pesquisa é voltada para mito e memória. A memória é uma construção muito fluida e, ao mesmo tempo, é parte da nossa identidade, como indivíduos e como sociedade. Como tratar de algo de que as pessoas “se lembram”, mas que nós sabemos que nunca aconteceu? Eu dei um exemplo com relação a esse assunto, quando contei, em minha palestra [no MAST], o caso do museu em que tive a oportunidade de trabalhar, numa vila de tradição pesqueira cuja economia havia decaído com o passar dos anos. Os habitantes “se lembravam” de que, na época áurea da povoação, era possível atravessar o canal da vila de barco em barco, tal era movimentada a economia local. Mas, segundo nossas pesquisas, isso jamais aconteceu. O que fizemos foi respeitar aquela memória, trabalhar com ela e não impor à vila a realidade dos fatos. O resultado foi um museu criado desde o início em conjunto com a população, que ajudou a idealizá-lo e, sete anos depois, viu o projeto se concretizar e se tornar parte ativa da pequena cdade.

Esse processo – de como tratar mito e memória num museu contemporâneo, de marcada função social – não é simples. São necessárias muitas discussões, muita análise crítica em sala de aula, muito estudo de textos teóricos e muita pesquisa sobre casos reais.

Os estudantes estão, hoje, mais preparados para dessacralizar vultos históricos e objetos, em comparação com o que (não) acontecia no passado?

Faz parte da cultura da Grã-Bretanha o hábito de brincar e, mesmo, de criticar suas figuras públicas, inclusive as mais importantes. Por isso, não creio que a dessacralização de vultos históricos ou de objetos seja um grande problema para os estudantes ou os profissionais britânicos. Temos outros problemas, claro, mas esse não é um deles.

Que conselho daria aos estudantes brasileiros, para que eles possam estar melhor preparados para enfrentar o bravo novo mundo dos museus?

Não tenham medo de questionar, de duvidar, de experimentar, de pensar e de fazer as coisas de um jeito novo.

A Universidade de Leicester tem interesse em desenvolver algum tipo de parceria ou projeto em conjunto com o Brasil?

A minha vinda ao Brasil é, de certa forma, um primeiro passo para analisarmos que tipo de oportunidades podem ser abertas. Estamos ainda no início do caminho e muitas propostas poderão surgir, envolvendo projetos com estudantes brasileiros e britânicos ou outras iniciativas. Gostei muito do que vi aqui, nos museus e na aula no MAST/UNIRIO e acho que haverá muitas oportunidades de interação.

O site da Escola de Museologia da Universidade de Leicester pode ser acessado a partir do link: http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies.

Cláudia Porto é museóloga, com especialização em Conservação de Obras de Arte em Florença, Itália e MBA em Gestão Empresarial pela UFRJ. É presidente da Comissão de Informação e Divulgação do COREM 2a.Região.

E S C L A R E C I M E N T O S

Postado em Atualizado em

Prezados Museólogos e Museólogas,

Desde que assumimos a gestão do COREM 2ªRegião, estamos fazendo o possível para melhorarmos a atuação deste Conselho junto à classe. Porém, os resultados positivos, às vezes, levam mais tempo para aparecer do que todos nós gostaríamos que levassem.

Esta comunicação tem dois objetivos. Primeiro, pedir-lhes um pouco de paciência quanto à resolução das demandas. Somos novos (e poucos) na Diretoria, fazendo um trabalho voluntário e, por uma série de empecilhos, ainda sem um assistente que possa nos apoiar trabalhando diariamente para o Conselho.

Em segundo lugar, precisamos explicar o que ocorreu com relação ao número das contas bancárias, cuja responsabilidade foi inteiramente do banco.

Tivemos um problema de documentação com o Banco do Brasil e, com isso, não conseguíamos movimentar a conta. A solução encontrada foi abrir uma nova conta, o que foi feito o mais depressa possível junto à Caixa Econômica, onde encontramos vantagens como, por exemplo, o reduzido valor da taxa para emissão de boletos.

Porém, a Caixa errou na numeração de nossa conta, nos informando portanto o número errado que gerou tantas confusões com nossos colegas.

A questão foi prontamente discutida com a Caixa e resolvida. Portanto, quem depositou a anuidade no primeiro número de conta informado teve seu depósito efetuado com sucesso. Não é preciso tomar qualquer outra providência. Caso ainda não tenham feito o depósito e em caso de parcelamento, pedimos apenas que os próximos depósitos sejam feitos nesse novo número de conta:

Caixa Econômica Federal
Agência: 2809
TIPO: 003
Conta: 971-5
Titular: Conselho Regional de Museologia Segunda Região ES, RJ, MG
CNPJ: 29.418.027/0001-80

Somos poucos conselheiros, divididos em comissões, porém muito comprometidos em fazer um bom trabalho em prol de todos nós, museólogos.

Aproveitamos a oportunidade para dar a conhecer alguns dos problemas que estamos tentando resolver o mais breve possível, mas para os quais ainda não temos uma resposta positiva:

  • Algumas contas do Conselho estão em atraso devido ao problema com o Banco do Brasil;
  • Ainda não conseguimos solucionar a questão das carteirinhas;
  • O Conselho não tem, neste momento, condições de contratar um funcionário para atendimento na sede;
  • A sala do COREM está prestes a ser vendida e encontra-se em obras de conserto do encanamento do banheiro.

Estamos buscando algumas soluções:

Temos uma museóloga voluntária para ajudar na questão das carteirinhas, para isso pedimos que todos que estão sem carteirinha, primeira, segunda via ou com alterações a serem feitas mesmo que já tenham enviado solicitação, enviem novamente por gentileza os dados no formulário de contato aqui em nosso site.

Solicitamos ao COFEM (Conselho Federal de Museologia), a prorrogação do prazo para pagamento com desconto em virtude do problema da conta bancária, porém é necessária uma Resolução, estamos no aguardo.

Queremos manter todos informados da situação difícil pela qual passamos. Contamos com o apoio e a sugestão de todos.

Caso precise falar conosco, utilize preferencialmente um dos meios abaixo:

  • Mensagens sobre sugestões, críticas, dúvidas e demandas (ex. as carteirinhas) – através do formulário de contato aqui no site.
  • tesouraria.corem2r@gmail.com – para mensagens sobre pagamentos, parcelamentos e afins;
  • registro.corem2r@gmail.com – para mensagens com dúvidas e demandas sobre registro profissional, denúncias e afins;
  • divulgacao.corem2r@gmail.com – para divulgação de eventos e cursos que possam aprimorar os nossos profissionais.

Observação: A página do COREM no Facebook destina-se apenas a divulgar eventos de interesse para estudantes de museologia e museólogos. Não estaremos respondendo dúvidas e demandas através dela, por falta de pessoal suficiente.

Atenciosamente,

Flávia Limoeiro Figueiredo – Corem 2a região 0760-I
Presidente
presidente.corem2rg@gmail.com

Márcia Silveira Bibiani – Corem 2a região 0263- I
Vice-Presidente
registro.corem2r@gmail.com

Vivian da Mata Fava – Corem 2a região 0749- I
Tesoureira
tesouraria.corem2r@gmail.com

ICOFOM – Apresentação de “papers”

Postado em Atualizado em

Foi prorrogado o prazo para o envio de artigos para serem publicados no ICOFOM Study Series 42, publicação do Comitê Internacional de Museologia do ICOM. Os trabalhos serão aceitos se enviados até o dia 8 de abril. Não serão aceitos artigos enviados depois dessa data.

Sendo o próximo encontro do ICOFOM no Rio de Janeiro, na Conferência Geral do ICOM, o Comitê quer receber o maior número possível de textos de qualidade da América Latina.

Mais informações no site: http://network.icom.museum/icofom

Simpósio Internacional “Arte, Patrimônio e Museus”

Postado em Atualizado em

voxmusei_bannerO coletivo cultural VOX MUSEI arte e património realizará o Simpósio Internacional Arte, Patrimônio e Museus, na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, entre os dias 20 a 22 de junho de 2013.
O evento irá divulgar e discutir resultados de pesquisas e intervenções nesses campos de saber-fazer, permitindo ampliar um debate intenso e complexo em nível nacional e internacional, intervenções sociais, repensar categorias conceituais e metodológicas.
Informações e inscriçõeshttp://voxmusei.fba.ul.pt

Lançado o Prêmio Ibram Memórias Brasileiras

Postado em Atualizado em

Iniciativas de preservação da memória brasileira com ênfase nos movimentos sociais (sindical, rural, estudantil e outros) têm até as 23h30 do próximo dia 28 para fazer inscrição e concorrer à Image.

As inscrições devem ser feitas pelo Sistema Salic Web, disponível no site do Ibram e no site do Ministério da Cultura (MinC).

Serão contempladas dez iniciativas, que receberão R$ 30 mil, cada – totalizando R$ 300 mil em investimentos – para apoio a ações de divulgação, preservação e difusão de acervo.

Poderão concorrer ao prêmio pessoas jurídicas de direito público e de direito privado sem fins lucrativos, com finalidade cultural, excetuando-se aquelas vinculadas à estrutura do MinC.

Informações no edital: http://www.museus.gov.br/premio-memorias-brasileiras/